Acabei de ler um post super interessante da Adriana Amaral em seu blog no qual ela traz à tona, com base no projeto de pesquisa do sociólogo Paul Hodkinson, questões relacionadas a como os sujeitos envelhecem dentro de determinadas subculturas, como a gótica, sempre muito atreladas à faixa etária da juventude.

Fora a brincadeirinha do cartoon, o post me remeteu à crítica que David Hesmondhalgh, professor da The Open University e autor de The Cultural Industries, faz ao imbricamento quase necessário entre juventude (enquanto faixa etária e não “espírito do tempo”) e música popular nos estudos acadêmicos que, segundo ele, ofuscaria um melhor entendimento tanto da música quanto da sociedade. Ele debate sobre isso e sobre os próprios conceitos de “subculturas”, “cenas” e “tribos” no ótimo artigo “Subcultures, Scenes or Tribes? -None of the Above” que a querida Ari compartilhou comigo direto do doutorado sanduíche com Will Straw no Canadá (thank you once again, dear ;)). Quem quiser o texto é só pedir que eu mando (se Ari liberar, é claro rsrs).

Ele argumenta que esse entrelaçamento entre música popular e os jovens “foi o resultado de circunstâncias históricas particulares”: 1) os estudos do pessoal do CCCS de Birmingham, 2) uma certa generalização na importância da música para os jovens (e esquecimento de que ela importa muito para outras pessoas também) e 3) o próprio ensino de disciplinas ligadas à música popular que tendem a enfatizar esse entrelaçamento e negligenciar o “significado emocional e social” da música não só para jovens, como para todos.

Resumindo:

“The close relationship between the study of youth and that of popular music was the result of particular historical circumstances, and the privileging of youth in studies of music is an obstacle to a developed understanding of music and society” (HESMONDHALGH, 2007, p. 38)

É “food for thought”…