Ariane Diniz Holzbach

Ariane Diniz Holzbach

Ariane Diniz Holzbach

Apresentação

Doutora em comunicação pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFF, com doutorado-sanduíche realizado na McGill University, em Montreal. Mestre em comunicação também pela UFF e graduada em Jornalismo pela UFPE. Desenvolve pesquisa em audiovisual, novas tecnologias e música popular massiva, com ênfase em videoclipe. É professora e coordenadora adjunta do curso de jornalismo da FACHA – Faculdades Integradas Hélio Alonso – e professora da Universidade Gama Filho. Desde 2007 mantém o Clipestesia, um site colaborativo de crítica de videoclipe feito em parceria com estudantes de graduação. Tem experiência em jornalismo impresso e produção televisiva, além de ministrar disciplinas voltadas principalmente para audiovisual, tecnologias da comunicação, linguagens midiáticas, cibercultura e webjornalismo.

E-mail para contato: aridiniz@gmail.com

Site: Clipestesia

Pesquisa atual
Videoclipe, práticas culturais e novas tecnologias

Título da tese de doutorado
Smells Like Teen Spirit: a consolidação do videoclipe como gênero áudio-visual

Resumo da tese de doutorado

Partindo da perspectiva de que o videoclipe é um produto complexo, formado pela apropriação e ressignificação de elementos das culturas audiovisual e da música popular massiva, o objetivo deste trabalho é entender o surgimento e a consolidação do videoclipe como gênero cultural. Para tanto, a tese tem em vista três eixos de análise: 1) a formação do estado da arte do videoclipe, que o percebe apenas do ponto de vista comercial – o videoclipe “venderia” músicas e a imagem de artistas – e do ponto de vista da ruptura – o videoclipe representaria uma antítese audiovisual e seria um sintoma do pós-moderno; 2) a consolidação do videoclipe a partir da criação da MTV nos Estados Unidos, em 1981, que surgiu no contexto da ascensão da televisão por assinatura e, em função disso, pôde concentrar-se em um público segmentado – o jovem – e em um conteúdo específico, que estava ainda em processo de consolidação; 3) o desenvolvimento das convenções estruturais do videoclipe, considerando que estas só se instauraram inseridas em contextos socioculturais determinados. Esses fenômenos são percebidos à luz de uma revisão crítica da bibliografia de referência existente sobre videoclipe aliada a uma nova proposta de observação do objeto, pautada em um olhar que considera simultaneamente as culturas musical e audiovisual. Para construção desse novo olhar foi feita uma pesquisa empírica centrada em três objetos de estudo: todas as matérias da revista Variety que tematizam o videoclipe publicadas entre 1981 e 1986; a primeira programação da história da MTV, veiculada na madrugada de 1º de agosto de 1981; e todas as edições do Video Music Awards, o VMA, realizadas desde que o prêmio foi criado, em 1984, até 2012, ano final de escrita desta tese. A pesquisa concluiu que, longe de constituir um audiovisual de ruptura que visa exclusivamente à venda, o videoclipe consolidou-se a partir de uma continuidade histórica marcada por reconfigurações tecnológicas nos campos musical e audiovisual. Ele não apenas foi resultado dessas mudanças como ajudou a solucionar diversos problemas enfrentados por várias instâncias culturais nesse contexto, especialmente a indústria fonográfica, as rádios FM, as jukeboxes e o vídeo doméstico.

Palavras-chave/Interesses temáticos: videoclipe, televisão, audiovisual, música popular massiva, novas tecnologias.

Artigos recentes publicados em periódicos

MTV: a remediação das FMs na construção de um canal de televisão (Revista Galáxia)

O Gorillaz é uma banda “de mentira”? Uma discussão sobre o papel das bandas virtuais na música popular massiva. (Revista E-Compós)

#u2youtube e a performance mediada por computador (Revista Galáxia)  – feito em parceria com Simone Sá

Videoclipe em tempos de reconfigurações (Revista Famecos) – feito em pareceria com Marildo Nercolini

Excesso, esquizofrenia, fragmentação e outros contos: a história social de surgimento do videoclipe (Congresso da Intercom)

Prestando muita atenção no YouTube (Revista Contracampo) – resenha

Emoção e festa na cerimônia de posse de Lula: o sensacionalismo em matérias de política (Revista Ciberlegenda)