Para ler a primeira parte do relato de Melina Santos sobre a sua estadia em Angola, segue o link  a baixo:

FASE 2: MISSÃO HUAMBO

O primeiro dia desta quarta edição do ORLEI aconteceria no sábado, 20. Catorze bandas (de províncias diferentes) tocariam na programação: Afogados; Before Crush; B-Side; Dor Fantasma; Hiflow; Jam Huambo; Kizua Gourgel; Lunna; M’Vula; Paralelo State; Singra; Still Rolling With The Times; Vodka; Zé Beato. Quem animou o evento foi o DJ Manel Kavalera, que produz eventos dedicados ao metal em Luanda, no King’s Club. O festival teve a apresentação de Antonio para não quebrar a tradição de edições anteriores.

Apresentação da banda Lunna

Este momento me fez refletir sobre as dificuldades de se produzir um evento dedicado ao gênero. Principalmente, em um país onde o gênero ainda dá seus primeiros passos. A programação foi prejudicada pela falta de luz no Pavilhão.

Osvaldo Serra, o que atrasou a montagem do palco e dos equipamentos. Já passavam das 20h, e não havia muito que ser feito sem energia elétrica. Quando as coisas começaram a andar, e os equipamentos foram testados, dando a entender que as bandas poderiam começar a tocar, veio a chuva…Eu só via os membros correndo para proteger os equipamentos, enquanto o público dispersava. Doeu ver aquilo. Em determinado momento, comecei a linkar as dificuldades das produções underground do Brasil e de Angola. E cheguei à conclusão de que o rock/metal não teria continuidade sem os movimentos underground e a força de vontade das pessoas envolvidas neste circuito.

Porém, já nos quarenta e cinco do segundo tempo, a banda M’Vula decidiu tocar debaixo de chuva, levando choques… Nada mais literal para uma banda que acabara de lançar um EP chamado Tempestade. Lil Jorge e M.G. (vocais), Paulo Albuquerque (guitarra), Red Zimba (baixo), Félix Bateria (bateria) foram os únicos a tocar no sábado. Entre minhas entrevistas, conversei com o baterista da banda Singra, Cláudio Henriques, nos bastidores do festival. Na formação, temos Nuno Alves (vocais); Denilson Marino e Hernâni Silva (guitarras); Fábio Ascenso (baixo) e Yannick Merino (percussão). O Singra, formado em 2008, era uma das bandas programadas para tocar no sábado. Eles lançaram em 2013, o EP “Eu contra o mundo”, e realizam várias fusões com o metal em suas canções. Para ilustrar o som dos caras, colocamos um trecho do clipe ” Trevas sobre horas vazias” no minidocumentário (a baixo).

No segundo dia, a equipe técnica já estava a todo o vapor, entre eles. A primeira banda a subir ao palco, por volta das 19h, foi o grupo de Huíla, Lunna, formada em 2010.Cássio Rodrigues “Kcage Kássio” (vocais), Frederico Maurício “The Punisher” (percussão; backing vocal); Paulo Borges “Magic Fingers” (bateria); Rodney Francisco ‘Fingo’ (baixo) e Yllialdo Alves (guitarra) possuem 10 canções, e tem o desejo de lançar um EP em breve.Logo depois, a banda Paralelo State, de Huambo, animou o público com seu rock alternativo. João Alberto (vocalista), Cassio Rodrigues (guitarrista), Alcides Claudio (bateria) e Agustinho Cussandoca (baixista) completaram quatro anos de formação, este ano, e possuem onze composições.

O terceiro grupo a subir ao palco foi Dor Fantasma,com seu thrash metal angolano. O power trio de Benguela, formado por Pagia (vocais/baixo), Jayro Cardoso (guitarras) e Gildo Lancelot (bateria),tem a proposta de apresentar elementos nacionais nas composições, inclusive, cantando em dialetos locais. Foi exatamente neste show que fui engolida por um mosh caótico, e machuquei meu ombro direito.

Formado em 2008, o grupo vai lançar outro EP com oito músicas que transitam também entre o português e o inglês. O trio chegou a lançar a canção System, na coletânea You Failed…Now we rule, da Cube Records. Entre as faixas já trabalhadas estão Tchingandji; A inocência do assassino; Vision of Suicide e Fantasmo Thrash Metal.

Zé Beato e Os Desempregados trouxeram outra ‘vibe’ para o festival.O músico lançou o álbum independente Cru,com onze canções que passam pelo reggae e rock. Este show contou com Anderson Gavião Duarte (baixo; guitarras), Costinha Cassoma (guitarras) e Antonio (bateria). Aliás, Yvanov Guardado, o vocalista, em parceria com Wilker Flores (Still Rolling With The Times) foi um dos criadores do Festival Rock de Stock, em 2009. Este se transformaria, em 2011, no ORLEI – O Rock Lalimwe Eteke Ifa, algo do tipo “O rock nunca morrerá”, sob a tutela de Sonia Ferreira, Wilker Flores e pela Associação Angolana de Rock.

O músico e compositor angolano Kizua Gourgel já é um veterano da cena musical, e é bastante popular em Angola. Ele está em fase de lançamento do álbum Kizuísmo, com doze canções, e lançou o vídeo da música Sentinela no início do ano. O festival é bem eclético e abarca artistas que vão do blues, passando pelo reggae, ao metalcore. Caso da apresentação do grupo Still Rolling With the Times, com uma pegada blues-based rock. A banda, formada há quatro meses,é composta por Angela Ferreira (vocais), Wilker Flores (baixo), Oddon (gaita; harmônica; castanholas e violão) e Nick Costa (bateria). Este show teve a participação do guitarrista Bona Sky (banda Instinto Primário).

A partir de então, a sequência dos shows ganhou mais peso. O grupo de Benguela, Vodka,trouxe o caos para o mosh pit. Meninos e meninas fazendo stage dive, moshs, subindo ao palco para banguear com os integrantes. Foi bonito de se ver.O grupo também está em fase de composição e, até o momento, possuem três canções: Mentira, Heróis e Imerso nas profundezas obscuras. Temos na formação: Carlos Alberto e Romano Alexandria (vocais); Amilcar Gonçalves (guitarras) e o Nick Costa (bateria).

O Before Crush existe desde 2006, e os integrantes são de Lobito. Na formação atual está Queirós Ladino Cumpanhe (vocais); Costinha (guitarra); Alex Portela (baixo) e Nick (bateria).

Não. Você não está louco. O Nick e o Costinha tocam em outras bandas. O primeiro, em três (Before Crush; Vodka; Still Rolling With Times), o segundo, toca com o Zé Beato também.

O grupo Before Crush possui um EP, Ídolos Ancorados (2010), e dois clipes da faixa “A bruxa” e “A grande conquista” (2011). Porém, a banda possui no repertório 13 canções. O Queirós também atua como produtor e sócio no selo Cube Records, em parceria com Carlos Bessa. O selo lançou a coletânea You Failed…Now we rule, em 2013, com cinco bandas: Before Crush, Fiona, Dor Fantasma, Horde of Silence, Eternal Return. Aliás, o álbum do Dor Fantasma será lançado pela Cube também. Outra informação importante é que o grupo já tocou no MetalZone Fest, em Bayreuth (Alemanha), em outubro de 2013.

Antes do encerramento do festival, eu já estava perdida no meio de tantas informações. Como meu retorno para o Rio já estava bem próximo, a imagem do tio da Imigração não saía da minha cabeça. Ainda tinha a esperança de reencontrá-lo, e mostrar os vídeos para ele falando que, mesmo na correria, eu encontrei o que estava procurando…E o que não estava procurando também…

Tem rock/metal em Angola, sim, tio.

Leia aqui Festival de Rock Huambo 2014 – Parte III